Earn2Trade Blog
Mark to Market CFD

Contratos por Diferença, Mark-to-Market e Liquidação de Contratos Futuros

blog ad pt e2t

A atividade de um trader consiste principalmente em monitorar os preços e fechar o negócio certo. No entanto, há outro lado do trading de futuros que recebe muito menos atenção. Os sistemas estabelecidos anteriormente foram, em sua maioria, automatizados, e o Mark-to-Market (MtM) faz parte desse processo. Esse recurso se tornou necessário para que o que o trading de futuros pudesse competir com seu primo europeu: os contratos por diferenças, ou CFDs.

O contexto regulatório que deu origem aos CFDs

A maior parte do trabalho diário de uma corretora consiste em compensação, liquidação de contratos e trabalho administrativo. Além disso, elas gerenciam todas as regras, regulamentos e procedimentos que o trading exige.

Um dos fatores que tornam esse tipo de trabalho ainda mais complexo é que a maioria dos mercados financeiros globais possui regras muito diferentes para esses processos. Poder comprar futuros para o iene japonês ou o índice Hang Seng do conforto do nosso quarto pode nos levar a acreditar que as regras para a liquidação de contratos e emissão de extratos de conta nesses países são pelo menos um pouco comparáveis às dos EUA.

A verdade é que as leis e normas dos EUA não estão em sincronia com as de outras regiões. Por exemplo, ações de fundos mútuos emitidas na Europa não podem ser vendidas nos Estados Unidos ou para cidadãos americanos. Enquanto isso, os europeus não conseguem comprar os ETFs negociados no mercado de ações dos EUA. No entanto, a mesma restrição não se aplica a ações ou futuros. As duas regiões estão igualmente divididas no acesso a moedas e CFDs.

Você também pode gostar:

Contratos futuros vs. Contratos por diferença

A princípio, poderíamos supor que isso se trata de algum tipo de medida de proteção ao mercado. Embora seja parte do motivo, isso não é tudo. Os hábitos do consumidor e as estratégias de negócios de corretoras individuais também desempenham um grande papel no desenvolvimento dessas convenções. Não há dúvida de que os EUA são o centro e a origem do trading de futuros modernos. É também de lá que a Europa adotou a maior parte de seus ativos. É por isso que fazia sentido para eles tentar recriar os mesmos padrões de Chicago.

Infelizmente, os investidores europeus não tinham a mesma quantidade de capital disponível que suas contrapartes nos EUA, portanto houve um interesse significativamente menor nos mesmos contratos de commodities em grande escala. Em vez disso, eles optaram por quebrar os contratos maiores em incrementos menores. Isso levou os formadores de mercado a basear seus preços na CBOT, CME e NYBOT , ao mesmo tempo em que ofereciam seus próprios tamanhos de contrato com os contratos por diferenças.

Como funcionam os CFDs?

Um contrato de petróleo, por exemplo, representa 1.000 barris físicos de petróleo. Com um valor nominal de US$64, ele possui um valor real de US$64.000. Nesse caso, o menor movimento – um tick – é de 0,01 ponto, ou US$10. Para atender às necessidades dos pequenos investidores, os contratos por diferença europeus foram divididos em incrementos de 10 e 100 barris. O resultado foi a redução dos requisitos de margem para um décimo ou um centésimo, respectivamente. Isso foi possível porque as operações dos investidores nunca chegaram ao mercado. Em vez disso, eles permaneceram nos livros dos formadores de mercado. Uma vez que o formador de mercado tivesse investidores suficientes, eles usariam aqueles com posições opostas para minimizar uns aos outros, então agregariam o resto em posições de tamanho real para posicioná-los eles próprios ou manteriam em seus próprios livros se os investidores não tivessem sucesso.

A situação resultante foi um conflito de interesses em que o lucro do formador de mercado vinha das perdas dos traders. Isso levou à criação de uma onda de corretoras oferecendo CFDs nos centros financeiros offshore da Europa. A lista inclui lugares como Malta, Chipre, Suíça e Liechtenstein. Muitas vezes, esses fornecedores nem mesmo encaminhavam os contratos para os mercados regulamentados, o que significa que eles próprios não estavam sujeitos às mesmas regulamentações rigorosas.

Resistência dos EUA aos CFDs

Os EUA se opuseram à entrada desses produtos de CFD no país desde o início. O motivo declarado era proteger seu mercado e os traders. Os corretores americanos também tentaram abrir a porta para pequenos investidores a partir da redução dos requisitos de margem. No entanto, os órgãos reguladores relevantes interromperam essas tentativas. Em vez disso, eles desenvolveram um sistema de minicontratos e microcontratos, o que lhes permitiu manter os investidores dentro do ambiente regulamentado do mercado. Esses mini e micro ativos têm sido extremamente bem-sucedidos, provando que é possível permanecer flexível mesmo que submetido a normas.

A origem do Mark-to-Market (MtM)

Esses ativos regulamentados ainda tinham uma grande desvantagem em comparação com CFDs: o vencimento. Os contratos por diferença são instrumentos sem vencimento explícito, o que significa que o trader poderia mantê-los pelo tempo que desejasse. Em muitos casos, CFDs de índice pagavam até juros. Isso deu aos traders a opção de manter suas posições até que eles as revertessem ou até o cenário mais provável: a perda de todo o seu capital. Ao mesmo tempo, eles também reduziram seus requisitos de margem. Na verdade, os requisitos eram tão baixos que os corretores só liquidavam essas posições quando seu valor chegava à casa dos centavos. Os EUA encontraram uma solução criativa para resolver o problema da vencimento: eles passaram a exigir o fechamento e a liquidação física de todos os contratos futuros no final de cada dia de trading. Esse processo ficou conhecido como Mark-to-Market (MtM). No início, é um processo desconfortável, pois o trader tem que ver suas perdas potenciais todos os dias. No entanto, seu equilíbrio real não muda até o momento em que a posição em si é fechada – é apenas uma diferença na visão do processo. Por outro lado, quando eles veem que a posição é liquidada diariamente, também ficam menos preocupados em simplesmente abrir uma nova posição quando a atual vencer. De certa forma, isso lhes dá a mesma sensação de segurança obtida com CFDs contínuos.

Rollover de contratos futuros

A diferença final é que os contratos futuros só podem ser prorrogados se a margem inicial exigida estiver disponível no saldo do trader. Esse valor tende a ser maior do que a margem de manutenção regular necessária para – como o nome indica – simplesmente manter o contrato. Por extensão, isso significa que, se o trader não tiver a margem necessária devido às perdas acumuladas, a posição simplesmente será fechada no vencimento. Vale a pena perguntar se esse processo é injusto ou se realmente beneficia o trader. Obviamente, os traders que já sofreram perdas por conta desse método de liquidação podem pensar que perderam a oportunidade de recuperar sua posição. No entanto, a chance de uma posição com perdas mudar repentinamente é de fato muito pequena. Cerca de 75% a 80% dos traders que operam CFDs tendem a perder dinheiro no final de suas operações. Perder 95% do seu capital definitivamente dói mais do que perder apenas 70% dele. O modelo de liquidação dos EUA atua como uma rede de segurança para a maior parte dos traders, embora alguns deles acabem sendo prejudicados no final.