pt
en
es
ar

Blog

Guias de trading, webinários e histórias

Futuros Russell 2000 (RTY) – Conheça mais sobre o Índice

Futuros Russell 2000
F T L
22 minutos de leitura
Não tem tempo? Confira o infográfico

Todo trader profissional ou iniciante conhece o índice S&P 500 e o Dow Jones Industrial Average. No entanto, há um índice que é menos popular, mas, ao mesmo tempo, igualmente interessante como uma oportunidade de investimento. Neste guia, falaremos sobre o Russell 2000 e discutiremos a maneira mais popular de investir nesse instrumento de alto potencial – os Futuros E-mini Russell 2000 (RTY).

Conteúdo:

O que é o Russell 2000?

O Russell 2000 foi criado em 1984 pela Frank Russell Company e é mantido pela FTSE Russell, uma subsidiária do London Stock Exchange Group. O índice ponderado de capitalização de mercado mede o desempenho de duas mil das empresas americanas de menor capitalização, sendo parte do índice mais amplo Russell 3000, que apresenta as principais ações americanas por capitalização de mercado. O índice representa cerca de 8% a 10% do valor de mercado total do Russell 3000.

Você também pode gostar:

O que é o contrato futuro E-mini Russell 2000 (RTY)

Em 10 de julho de 2017, o CME Group começou a operar os contratos de Futuros E-mini Russell 2000 (símbolo RTY). O instrumento rapidamente se tornou a escolha preferida de investidores dispostos a obter exposição econômica de ações americanas de pequena capitalização. O contrato de futuros é um instrumento de preferência dos investidores individuais e corporativos. Além de ser um mercado saudável e altamente líquido, existem várias outras razões para isso.

Por exemplo, o contrato de Futuros E-mini Russell 2000 permite que os participantes do mercado protejam sua exposição macroeconômica e garantam um desempenho mais estável. Além disso, é considerado uma maneira adequada de capitalizar os movimentos de mercado esperados no índice em questão.

O o contrato de Futuros E-mini Russell 2000 (RTY) está aberto para operação de domingo a sexta-feira (17h às 16h, CT). A operação diária é interrompida entre 15h15 e 16h. Um único contrato futuro é operado em incrementos de 0,1 pontos de índice (1 tick = $5,00). Um contrato RTY tem um valor de US$ 50 vezes maior que o contrato acordado com o preço de Futuros E-mini Russell 2000. O contrato RTY expira trimestralmente.

O cronograma é definido nas terceiras sextas-feiras de março, junho, setembro e dezembro. Aqui está um exemplo de contrato de RTY do CME:

Especificações do Contrato de Futuros do Índice E-mini Russell 2000

SímboloRTY
Tamanho do contrato$50 x Índice Russell 2000
Tick Mínimo0.1 Pontos de índice
Valor de Tick$5.00
Horários de OperaçãoCME Globex: domingo à sexta-feira das 18:00 às 17:00 Eastern Time (ET) com parada comercial 16:15 às 16:30
Meses do Contrato5 meses no Ciclo Trimestral de Março (março, junho, setembro, dezembro)
Opções DisponíveisTrimestral, Mensal, Semanal (Segunda, Quarta, Sexta)
Último Dia de OperaçãoA operação pode ocorrer até as 9:30 da manhã, no horário da costa leste dos EUA, na terceira sexta-feira do mês do contrato
Fonte de Dados: CME

Entendendo o Índice Russell 2000

No caso de fundos mútuos de pequena capitalização, o marcador mais popular é o Russell 2000. Nesse sentido, o índice é bastante semelhante a outros índices de pequena capitalização, como o S&P 600. No entanto, com o tempo, o Russell 2000 tornou-se a escolha mais popular entre o amplo público de investimentos, tanto como referência quanto como ferramenta de investimento de pequena capitalização.

Preço/Reserva2.33
Rendimento de Dividendos1.46
Rendimentos P/E Ex-Neg20.48
Crescimento De EPS Em 5 Anos9.83
Número de holdings1995
Capitalização Média De Mercado$2.483
Capitalização Média do Mercado$0.823
Maior Ação Por Valor De Mercado$8.273
* informações de 31/12/2019 – Fonte: FTSE Russell

 1 ano3 Anos5 Anos10 Anos
Desempenho25.528.598.2311.83
Desvio Padrão17.08%15.73%15.92%16.93%
Índice de Sharpe1.300.520.530.72
* informações de 31/12/2019 Fonte: FTSE Russell

Diferentemente do DJIA, que é ponderado pelo valor de mercado total das empresas incluídas, o índice Russell 2000 é ponderado pelas ações em circulação. Isso significa que o índice é influenciado pelos preços da última venda e pelo número de ações disponíveis para operação para cada constituinte.

Há diversos tipos de índice Russell 2000. O Russell 2000 Value dex, por exemplo, mede o desempenho das empresas constituintes com taxas mais baixas de preço para reserva e valores de crescimento previstos. O Russell 2000 Growth Index, por outro lado, reflete o desempenho de empresas com P/B mais alto e maiores valores projetados de crescimento.

O índice Russel é a escolha preferida de muitos investidores, pois provou ser o reflexo mais preciso das oportunidades de lucro apresentadas por toda a subcategoria de ações de pequena capitalização nesse mercado. Os índices mais restritos, por exemplo, geralmente podem conter vieses ou riscos específicos de ações que podem distorcer o desempenho do administrador do fundo. É por isso que, com o tempo, muitos fundos começaram a oferecer instrumentos de investimento como ETFs ou fundos mútuos que tentam replicar o desempenho do Russell 2000.

O índice também é considerado um sinal muito importante para a saúde da economia dos EUA, porque reflete o desempenho das empresas menores e de orientação doméstica.

Desempenho do Russell 2000 por ano

AnoRetorno do preçoRetorno total
199526,21%28,45%
199614,76%16,49%
199720,52%22,36%
1998−3,45%–2,55%
199919,62%21,26%
2000−4,20%–3,02%
20011,03%2,49%
2002−21,58%–20,48%
200345,37%47,25%
200417,00%18,33%
20053,32%4,55%
200617,00%18,37%
2007−2,75%–1,57%
2008−34,80%–33,79%
200925,22%27,17%
201025,31%26,85%
2011−5,45%–4,18%
201214,63%16,35%
201337,00%38,82%
20143,53%4,89%
2015−5,71%–4,41%
201619,48%21,31%
201713,14%14,65%
2018−12,18%−11,01%
201923,72%25,52%

Como operar o contrato futuro E-mini Russell 2000 (RTY)

Com o tempo, o contrato de Futuros E-mini Russell 2000 tornou-se um dos instrumentos futuros de índice e-mini mais dinâmicos. Sua crescente importância no papel de uma representação geral no mercado de índices o tornou um indicador líder, sendo a escolha preferida de diversos investidores.

Se você planeja investir em nos contratos Russell, existem algumas coisas específicas do mercado e características importantes que podem ser úteis para otimizar o desempenho do seu portfólio. Certifique-se de levar os cinco pontos seguintes em consideração.

As empresas constituintes e características de suas operações

O fato de o Russell 2000 ser composto de ações de pequena capitalização significa que ele é um instrumento altamente dinâmico que pode desbloquear oportunidades de lucro substanciais. Algo típico em empresas de pequena capitalização é que elas geralmente são líderes em termos de inovação e crescimento. O pequeno tamanho de suas operações concede a elas flexibilidade para novos regulamentos, mudanças nos ambientes de mercado, chances de adotar novas tecnologias e práticas, etc. Durante as expansões do mercado e os períodos de crescimento econômico, as pequenas empresas tendem a ter um desempenho melhor e a crescer mais rapidamente.

Um bom indicador que ajuda a confirmar isso é a relação P/L, excluindo dividendos, que para o Russell 2000 é de 26,75, enquanto para o S&P 500 é de 21.

Também é importante notar que as empresas menores são mais propensas a serem financiadas por créditos, o que as torna vulneráveis a mudanças nas taxas de juros. Além disso, as empresas de pequenos capitais também são mais sensíveis aos custos trabalhistas e ao crescimento dos salários, o que em períodos de perspectivas econômicas otimistas acaba fazendo delas uma aposta relativamente mais arriscada.

russell 2000 pequenas empresas

Ao considerar uma oportunidade de investimento, é essencial observar a sua estrutura e, no caso de fundos, observe as empresas constituintes.

O Russell 2000 é dominado por empresas em nichos altamente dinâmicos

A categoria principal é a de Finanças (incluindo bancos e empresas de investimento), seguida por Assistência Médica e Produtores de Bens Duráveis. O fato de as empresas, representando esses setores, serem de pequena capitalização, significa que são mais flexíveis e até mesmo agressivas quando se trata de adotar práticas inovadoras.

Eles percebem que a chance de expandir seus negócios é tentando criar algo “inovador” ou, pelo menos, elas tentam prever as necessidades do mercado e responder com antecedência.

As ações de pequena capitalização geralmente são domésticas e estão alinhadas à crescente economia americana. Como tal, o índice em questão tem uma correlação positiva com o PIB, que é frequentemente observada e levada em consideração ao fazer previsões de preços. À medida que o PIB cresce, as ações de pequena capitalização tendem a superar suas contrapartes de grande capitalização. As grandes empresas, por outro lado, têm, na maioria dos casos, operações internacionais e exposição ao mercado Europeu e aos mercados emergentes e são menos correlacionadas com o PIB dos EUA.

Dados da Ibbotson Associates, por exemplo, revelam que, nos últimos 80 anos, as ações de capitalização pequena superaram o capital das de grande capitalização em 2% ao ano. Isso pode ser confirmado por Robert Johnson, professor de finanças da Universidade de Creighton, que concluiu que no período de 1966 a 2016, os retornos anuais das empresas de pequeno e médio porte foram estimados em 28,4%, contra 14,4% para as de grande capitalização.

“Por serem empresas mais caseiras, as pequenas empresas são isoladas das tensões comerciais, das preocupações geopolíticas e do arrasto de ganhos decorrentes de um dólar mais forte. Por serem menos globais, as pequenas capitalizações também possuem maior exposição a vários fatores positivos nos EUA, como a reforma tributária, desregulamentação crescente e crescimento econômico mais rápido em relação às recuperações mais fracas na Europa e no Japão.”

Alec Young, Diretor Administrativo de Pesquisa de Mercado Global, FTSE Russell

O fato de as ações de pequena capitalização pagarem dívidas e adquirirem novo capital com mais facilidade em períodos de baixas taxas de juros explica por que elas superam suas contrapartes de grande capitalização em períodos de política monetária frouxa. As guerras comerciais globais e a deterioração das relações internacionais também favorecem as pequenas capitalizações, pois tendem a gerar a parte mais significativa de sua receita no mercado interno.

Para criar pontes entre as lacunas com traders individuais e investidores com carteiras menores, em maio de 2019, a CME introduziu os futuros de micro E-mini Russell 2000 (M2K). Os contratos são 1/10 do tamanho do RTY e replicam inteiramente as movimentações de sua contraparte maior. Você pode optar pelo M2K se estiver buscando oportunidades de baixo custo, e ainda assim quiser aproveitar o potencial de crescimento do mercado de ações de pequena capitalização dos EUA.

De fato, o contrato de futuros Micro E-mini provou ser um enorme sucesso, ultrapassando um volume de 32 milhões nos primeiros três meses. O instrumento é o favorito de uma variedade de traders, pois permite oportunidades especulativas de longo e curto prazo sobre o Russell 2000.

Um instrumento mais volátil

O fato de o Russell 2000 ser composto por ações de pequena capitalização (dispostas a correr mais riscos em suas operações) significa que ele está exposto a uma maior volatilidade. Se fizermos uma comparação entre o ele e o Russell 1000 (um índice que rastreia as 1000 principais empresas dos EUA por valor de mercado), veremos que a volatilidade é muito maior. O efeito é multiplicado em tempos de turbulências do mercado, como a crise do mercado de 1987, bem como em períodos de estresse econômico, como em 1990 – 1991, 2000 – 2001 e 2007 – 2009.

Quando a instabilidade do mercado diminui, a volatilidade também diminui. Por exemplo, dados oficiais mostram que, no período de 1979 a 2013, a volatilidade média de 24 meses para o Russell 2000 era estimada em aproximadamente 18,6%, enquanto a do Russell 1000 era de 14,4%.

futuros e-mini russell 2000

Isso é algo que os investidores devem ter em mente ao optar pelos contratos de futuros do E-mini Russell 2000. Se você decidir investir no instrumento, verifique também o Índice de Volatilidade CBOE Russell 2000 (RVX).

O índice mede a volatilidade esperada para 30 dias do Índice Russell 2000 e pode fornecer uma nova ferramenta de monitoramento das expectativas de volatilidade no mercado de pequenas capitalizações dos EUA.

Mas como o RVX pode ajudá-lo? O índice de volatilidade pode ser útil se você estiver tentando avaliar o mercado e evitar preocupações como a de comprar em períodos de alta. Normalmente, um bom momento para entrar no Russell 2000 é quando o RVX atinge o pico. No entanto, vale a pena notar que o RVX sozinho não significa muito. Se você deseja entender melhor os próximos movimentos do mercado, combine o RVX com indicadores de momento como o RSI, por exemplo.

Os Futuros RTY são mais adequados para operações com spread

Os investidores de contratos de futuros os compram na esperança de que o preço suba e os vendem se estiverem esperando uma queda. Nesse sentido, eles não são tão diferentes de operar qualquer outro instrumento. Vale ressaltar, no entanto, que os contratos futuros são a opção preferida dos especuladores, devido à sua adequação à operação de spread. Mas como a operação de spread funciona na prática?

Os futuros E-mini Russell 2000, por exemplo, é frequentemente usado para tirar proveito das discrepâncias de preço, assumindo posições longas e curtas simultaneamente. Tendo uma ordem de compra e venda ao mesmo tempo, o trader espera que o lucro de um lado do spread exceda os prejuízos do outro.

Para entender a estratégia em detalhes, devemos parar por um momento e focar nos diferentes tipos de spreads futuros. Há dois tipos principais de spreads: o intra-mercado e o inter-mercado.

Como o próprio nome sugere, os spreads intra-mercado estão relacionados ao mesmo mercado/instrumento. Os spreads intra-mercado descrevem situações em que o comerciante compra e vende o mesmo instrumento em questão (neste caso, os contratos Futuros E-mini), mas em diferentes meses de entrega.

Por exemplo, um spread intra-mercado é quando você compra à longo prazo os Futuros E-mini Russell 2000 em junho e depois compra o mesmo instrumento em dezembro a curto prazo. O principal objetivo da estratégia é capitalizar as potenciais discrepâncias de preço entre os dois meses de entrega.

Os spreads inter-mercado, por outro lado, incluem a operação simultânea de dois contratos futuros diferentes, como o E-mini Russell 2000 e o E-mini S&P 500. Nesse caso, o comerciante tenta capitalizar o desempenho de empresas de grande e pequeno porte. Se ele é otimista quanto ao desempenho das ações de capitalização pequena, ele investirá muito nos Futuros E-mini Russell 2000 e vendará pouco dos Futuros E-mini S&P 500 ao mesmo tempo.

Pense no trading de spread como uma forma de arbitragem, o trader tenta capitalizar a estrutura e a mecânica do mercado. O trading de spread pode ser uma escolha de sucesso tanto nos mercados de alta quanto de baixa. Você pode se perguntar por que deve optar por uma posição de curto prazo e uma de longo prazo se terá uma perda garantida, infelizmente, não somos Warren Buffets, e há chances de que você tenha dificuldades para cronometrar o mercado com precisão.

É por isso que os traders preferem operar spreads. Embora não seja tão lucrativa quanto as posições únicas de curto e longo prazo, quando as operações são bem-sucedidas, a operação de spread reduz significativamente o risco. A chance de você ter lucro em um ou em ambos os lados do spread é muito maior quando comparada à uma operação única em uma posição de curto ou longo prazo.

Alguns traders também navegam entre os instrumentos que abrangem ações de pequeno, médio e grande porte para aumentar seu horizonte de investimento e trazer mais oportunidades para a mesa. Os índices preferidos para esse fim são o Russell 2000, o S&P 400 e o S&P 500. A variedade de combinações entre esses três índices permite que os traders apresentem estratégias de spread, incluindo a compra e venda de ações de pequeno e grande capital, ações de médio e grande porte e ações de médio e pequeno porte. Aqui estão algumas estratégias de spread possíveis de acordo com as expectativas do trader:

Visão do Trader

  • Pequenas capitalizações superando ações de grande capitalização
  • Pequenas capitalizações superando os ações de capitalização média
  • Grandes capitalizações superando ações de capitalização pequena
  • Capitalizações médias superando ações de pequena capitalização

Uma Estratégia de operação de Futuros Apropriada

  • E-mini de longo prazo Russell 2000 e E-mini de curto prazo S&P 500
  • E-mini longo prazo Russell 2000 e E-mini de curto prazo S&P Capitalização Média 400
  • E-mini de longo prazo S&P 500 e E-mini de curto prazo Russell 2000
  • E-mini de longo prazo S&P Midcap 400 e E-mini de curto prazo Russell 2000

As diferentes variações do Russell 2000 também podem ser jogadas nessa mistura. Por exemplo, você pode construir uma estratégia de operação de spread, incluindo as modificações no crescimento e no índice de valor. Se você acha que as empresas de pequena capitalização em crescimento superam as ações de valor de pequena capitalização, você pode investir em longo prazo no índice Russell 2000 Growth e em curto prazo no índice Russell 2000 Value.

No entanto, se você planeja aplicar estratégias de spread, você também deve levar em consideração o tamanho nocional dos futuros de índices separados, pois eles podem diferir entre si. Muitas vezes, para manter uma posição neutra em dólar, pode ser necessário operar em uma proporção como 2: 1, por exemplo (dois RTY para um ES).

Investir no Russell 2000 pode ser uma escolha melhor que ETFs

O que os instrumentos futuros E-mini e ETFs têm em comum é o fato de estarem entre os instrumentos investíveis mais populares e bem-sucedidos nos últimos 25 anos. Embora não exista uma resposta clara sobre qual deles você deve escolher de maneira geral, a verdade é que ambos têm seus prós e contras, dependendo da situação, do tipo de investidor e de seus objetivos. No entanto, os contratos futuros E-mini têm algumas vantagens claras quando comparados aos ETFs.

Uma delas são as comissões menores. Normalmente, os contratos futuros são muito maiores em tamanho. Se pegarmos o ETF iShare Russell 2000 (IWM), que está entre os ETFs mais populares que rastreiam o índice, e o compararmos com o contrato de Futuros E-mini Russell 2000, fica claro que o valor nocional desse último é significativamente maior.

O valor nocional do instrumento futuro é próximo a US$85.000 (multiplicando o valor do índice por US$50), enquanto o do ETF é de aproximadamente US$170. Isso significa que será necessário cerca de 500 contratos de GIR para se igualar a um de RTY, o que geralmente resulta em custos de transação mais altos.

Em alguns casos, os instrumentos de ETF permitem a operação fora do horário comercial. No entanto, na maioria das vezes, eles não estão disponíveis 24 horas por dia. Os contratos futuros, por outro lado, podem ser operados mais de 22 horas por dia. Embora o mercado de ações esteja fechado durante grande parte do horário de operação, os contratos futuros ainda são conhecidos por sua excelente liquidez.

contratos futuros russell 2000

Outra vantagem do RTY sobre o IWM são os custos associados ao período de holding. Com o ETF, por exemplo, você pode manter o instrumento para sempre. O RTY, por outro lado, possui um ciclo de vencimento trimestral fixo (março, junho, setembro e dezembro). Embora a manutenção de suas posições futuras ao longo do ano incorra em alguns custos adicionais, ela é muito menor quando comparada à taxa de gerenciamento de 0,19% do IWM.

Também vale a pena considerar a questão tributária dos dois instrumentos. Aqui está um exemplo: imagine que John gosta do instrumento de Futuros E-mini Russell 2000 (RTY), enquanto Mike prefere investir no Russell 2000 ETF (IWM). Ambos fizeram operações lucrativas (lucro de US$20.000 cada), menos de um ano atrás. O importante aqui é: o que eles levarão para casa no final do dia? A resposta é que depende de como os dois casos são tratados do ponto de vista tributário.

O ganho de curto prazo do investidor de ETF é tributado a uma taxa de renda comum. O investidor de futuros é tributado como um contrato da seção 1256, o que significa que ele terá que pagar 60/40 (taxa de longo/curto prazo). Dependendo de qual faixa de imposto o investidor está, isso pode resultar em impostos excessivos. No topo da faixa tributária, por exemplo, a renda ordinária pode atingir 39% do lucro, enquanto no caso de investimentos futuros, 60% do lucro é tratado como ganho de capital a longo prazo e apenas 40% como renda ordinária.

Em média, isso resulta em uma taxa de impostos de 28% a 30%. Dependendo do tamanho do lucro, a economia em impostos no caso de investimentos futuros pode ser enorme.

Certamente, vale a pena considerar o fato de que o ETF, nesse caso, pague dividendos, enquanto o contrato futuro não. No entanto, os preços futuros são descontados, para que possam refletir a falta de pagamento de dividendos.

Você deve tomar cuidado entre maio e junho

Ao investir em um contrato de futuros, é crucial acompanhar sempre a situação com o ativo em questão (neste caso, o Russell 2000). Os índices Russell são reconstituídos em maio e junho de cada ano. Com o tempo, esse processo se tornou um dos fatores mais importantes, determinando o interesse dos investidores em ações específicas dos EUA. Por volta dessa época do ano, investidores e fundos mais avançados baseiam suas estratégias de operação nas mudanças dentro dos índices, tentando prever quais empresas serão incluídas e quais serão excluídas.

Como investidor nos Futuros E-mini Russell 2000, é aconselhável que você fique de olho no reequilíbrio do índice, pois geralmente isso resulta em aumento da demanda por ações específicas e notável volatilidade. Isso o ajudará a identificar os momentos certos do mercado e capitalizar os movimentos esperados.

Os índices Russell são reconstituídos a cada ano

Como você pode prever quais empresas são incluídas e excluídas?

  • O principal determinante é o valor de mercado. O Russell 2000 consiste nos dois terços inferiores do Russell 3000.
  • O forte desempenho das ações de capitalização média geralmente impedem mudanças nas posições promissoras das ações de capitalização pequena.
  • Como regra geral, as ações de valor também têm maior probabilidade de se mover entre os índices, enquanto algumas das ações em crescimento podem ser particularmente vulneráveis à queda devido à sua volatilidade.
  • As empresas que sofrem com a macro volatilidade global geralmente possuem o maior risco de exclusão.
  • O mesmo vale para as empresas de materiais básicos e energia, pois elas dependem fortemente de matérias-primas para suas operações, e a instabilidade global pode prejudicar seus negócios.

Mas como você pode prever quais empresas se tornarão constituintes e quais serão excluídas do índice? O determinante primário, é claro, é o valor de mercado. Não se esqueça que o Russell 2000 consiste nos dois terços inferiores do Russell 3000 (aproximadamente 10% de seu valor de mercado total) ou, dos menores títulos. Também tenha em mente que o forte desempenho das ações de capitalização média geralmente impedirá mudanças nas posições promissoras das ações de capitalização pequena.

Como regra geral, as ações de valor também têm maior probabilidade de se mover entre os índices, enquanto algumas das ações em crescimento podem ser particularmente vulneráveis à queda devido à sua volatilidade.

No entanto, de acordo com o Bank of America, as empresas em crescimento geralmente operam de maneira exemplar quando comparadas às ações de valor. Graças às perspectivas econômicas brilhantes e à política monetária frouxa nos anos posteriores a 2009, as ações de crescimento superaram as de valor. Portanto, no final, tudo depende da sua preferência de investimento e tolerância ao risco.

Os investidores também devem ter em mente que as empresas que sofrem com a macro volatilidade global geralmente possuem um maior risco de exclusão. O mesmo vale para as empresas de materiais básicos e energia, pois elas dependem fortemente de matérias-primas para suas operações, e a instabilidade global pode prejudicar seus negócios.

Outra coisa que você deve levar em conta é a atividade de negociação e o sentimento geral do mercado. Em mercados otimistas, a maioria dos investidores geralmente muda de ações de capitalização alta para ações de capitalização pequena, buscando maneiras de aumentar sua aposta e maximizar seus lucros.

Conclusão

Os Futuros E-mini Russell 2000 são uma excelente opção para investidores que desejam capitalizar o potencial das ações de pequena capitalização frequentemente negligenciadas. Também ajuda aqueles que preferem evitar avaliações altas de ações de tecnologia de ponta e obter melhor exposição a empresas inovadoras com alto potencial de crescimento nas áreas de finanças, energia e saúde.

Os instrumentos baseados nesse índice não possuem riscos notáveis de concentração específicos da empresa, pois o índice não é dominado por nenhum líder de mercado de grande capitalização. Além disso, a chance de escolher entre o E-mini e o Micro E-mini traz um horizonte muito maior para os investidores.

Se você quiser começar a investir nos Futuros E-mini Russell 2000, fique de olho na situação macro e microeconômica dos EUA, pois elas afetam mais as empresas de pequeno porte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Retração de Fibonacci – O que é e como usar

Conta de Trading Financiada – Como se tornar um trader financiado

Média Móvel Exponencial – Estratégias e dicas da MME