pt
en
es
ar

Blog

Guias de trading, webinários e histórias

Futuros e Opções: Qual a principal diferença entre os dois?

futuros e opções
F T L
14 minutos de leitura
Não tem tempo? Confira o infográfico
blog ad pt e2t

Para muitos iniciantes, futuros e opções podem parecer mais uma criação sofisticada de engenharia financeira, com o objetivo de oferecer aos investidores novas oportunidades de lucro exóticas. Mas na verdade os futuros e as opções foram inventados para uso real e existem desde 1864, no caso de futuros, e 1971 no caso de opções. Hoje, eles fazem parte de um mercado muito maior que o das ações e são usufruídos por investidores de varejo e institucionais. Nas próximas linhas, descobriremos qual é a diferença entre os dois.

O que são futuros e opções?

Futuros e opções são instrumentos derivativos projetados para fornecer aos seus detentores uma ferramenta de hedge flexível e potencialmente lucrativa. Pense nos contratos futuros como uma garantia e os contratos de opções como uma garantia voluntária.

Um contrato de futuros concede ao investidor o direito e a obrigação de comprar ou vender um ativo em questão (ações, títulos, commodities etc.) em uma data e preço predeterminados.

As opções, por outro lado, dão o direito de comprar/vender o ativo em questão, mas não obrigatoriamente. Isso significa que o titular do contrato de opções pode optar por exercê-lo ou não. Sua decisão depende dos termos e se eles trabalham para ele na atual situação do mercado.

Para deixar isso mais claro, veja este exemplo. O contrato futuro, na sua forma atual, evoluiu na época em que os agricultores (vendedores) enfrentavam a incerteza de encontrar compradores para sua produção depois da colheita.

Os compradores (proprietários de padarias, por exemplo), por outro lado, tiveram que encontrar maneiras de garantir suas entregas futuras, para que não houvesse risco de interrupção de suas operações.

Para superar isso, os vendedores e os compradores usaram um contrato futuro para operar uma troca futura de uma mercadoria por dinheiro. Ambos os lados concordariam com o preço e o agricultor teria que entregar a mercadoria ao revendedor (digamos que 10.000 alqueires de trigo, por exemplo) na data pré-acordada.

Qual foi o benefício gerado com isso? Ao usar contratos futuros, o agricultor obtém um preço estável para seu trigo (sem saber em que ano ele espera receber e como isso afetaria o preço de mercado), enquanto a revendedora assegura a sua entrega e estima antecipadamente seus custos comerciais.

Você também pode gostar:

Como as opções funcionam

Os contratos de opções são baseados no valor do ativo em questão, seja uma ação, uma mercadoria, um índice etc. Os proprietários das opções têm a oportunidade de operar o ativo fornecido a um preço fixo antes que o contrato de opções expire. No entanto, eles não são obrigados a fazê-lo. Se não quiserem, não precisam operar.

Os contratos de opções não representam propriedade até que sejam exercidos.

Para comprar uma opção, o indivíduo deve pagar antecipadamente um prêmio. O prêmio reflete uma certa quantidade do ativo em questão (geralmente uma porcentagem). O prêmio representa o preço de exercício do ativo. Ou, em outras palavras – a taxa pela qual ele pode ser comprado ou vendido até a data de vencimento.

Existem dois tipos de contratos de opções – opções de compra e venda. As opções de compra representam uma oferta para comprar um ativo, enquanto as opções de venda representam uma oferta para vender um ativo.
Para entender melhor, vamos dar uma olhada no exemplo a seguir.

Joe decide comprar uma opção de compra na AAPL para comprá-la a um preço de exercício de US$250 nos próximos três meses. No momento, o instrumento é operado a US$245. Se o preço da ação ultrapassar US$250 durante os próximos três meses, ele poderá comprá-lo pelo preço de US $250, vendê-lo imediatamente e obter lucro ao embolsar a diferença. Por outro lado, se o preço da ação cair abaixo do preço de exercício de US$250, Joe poderá deixar de exercer a opção. Tudo o que ele vai perder nesse cenário é o prêmio que ele pagou inicialmente.

Como os contratos futuros funcionam

Contratos futuros são obrigações para comprar ou vender o ativo em questão em uma data futura pré-determinada e um preço determinado no momento.

Ele lhe dá a chance de “bloquear” um preço antecipadamente permitindo que as empresas se protejam contra oscilações massivas de preços em um futuro próximo.

Ao comprar um contrato futuro, o comprador não é obrigado a pagar o valor total antecipadamente. Em vez disso, ele paga uma porcentagem, que é chamada de margem inicial.

Investidores institucionais e de varejo usam contratos futuros. Investidores institucionais, como companhias aéreas, por exemplo, podem comprar futuros de petróleo para garantir um preço fixo com antecedência. Os investidores de varejo, por outro lado, compram contratos futuros apenas com propósitos especulativos para capitalizar com as alterações de preços. Eles não têm nenhuma intenção real de tomar posse do ativo em questão.

Aqui está um exemplo de como isso funciona na prática. Digamos que duas partes concordem em operar gasolina por US$35 o barril. Se o preço do petróleo subir para US$40, o comprador terá um lucro de US$5. Se, por outro lado, o preço cair para US$30, o lucro de US$5 irá para o vendedor.

Hoje, o mercado futuro cobre mais do que apenas commodities. Existem futuros sobre ações, títulos, índices e até opções.

Qual é a diferença entre futuros e opções?

Agora vamos nos aprofundar no tópico e explorar a diferença entre futuros e opções.

Diferentemente da operação de ações, que é um processo relativamente simples e direto, as opções e os futuros oferecem um novo universo de oportunidades de operação.

Vale ressaltar, no entanto, que a operação desses ativos geralmente é um pouco mais complicada. Isso ocorre porque, embora futuros e opções sejam comumente usados no mundo dos investimentos, nem todos estão familiarizados com suas principais características e detalhes.

Antes de dar vermos cada tipo de ativo e qual é a diferença entre futuros e opções, vamos dar uma olhada primeiro em suas semelhanças.

Antes de tudo, devemos começar dizendo que ambos são instrumentos derivativos operados na bolsa. Isso significa que seu valor é derivado a partir do desempenho do ativo em questão.

Eles são operados em bolsas e locais de operação globalmente com liquidação diária (as opções também podem ser operados no mercado de balcão).

Ambas as classes de ativos podem cobrir ativos, como FX, títulos, ações, commodities e muito mais.

“O preço de uma commodity nunca chegará a zero. Quando você investe em futuros de commodities, você não está comprando um pedaço de papel que diz que você possui um pedaço intangível de uma empresa que pode falir.”

Jim Rogers


Além do fato de que ambos os instrumentos oferecem algum tipo de flexibilidade e liberdade ao investidor, a outra principal semelhança é a possibilidade de alavancagem na operação. Essa é a razão pela qual eles estão entre as classes de ativos favoritas dos traders profissionais, especuladores, prop shops, empresas de trading de alta frequência e gerentes de portfólio profissionais.

Isso, no entanto, fazem deles instrumentos de investimento bastante complicados para iniciantes. Sem a estratégia de gerenciamento de risco adequada, os iniciantes podem perder muito dinheiro operando futuros e opções.

Outra grande semelhança entre opções e futuros é sua adequação para fins de hedge. Os investidores costumam usá-los para se protegerem do mercado, do setor, ou de outros tipos de riscos. Para operar opções e futuros, é preciso ter uma conta de margem ativa.

Embora compartilhem algumas semelhanças, na realidade, opções e futuros são muito diferentes um do outro. Para esclarecer as coisas, vamos dar uma olhada nos 5 principais fatores tornam futuros e opções diferentes:

1. Nível de risco e lucro potencial

A primeira e mais notável diferença entre futuros e opções está relacionada ao nível de risco associado aos dois instrumentos.

Com as operações de futuros, o nível de risco é muito alto, especialmente quando se opera com alavancagem. Isso significa que investidores sem estratégias adequadas de gerenciamento de riscos e de saídas (ordens de stop loss, etc.) podem sofrer diversos prejuízos em suas carteiras.

Aqui está um exemplo – a operação de contratos futuros geralmente permite que o trader aproveite uma margem de até 95% (às vezes até mais). Isso significa que ele perderá todo o seu portfólio caso o ativo em questão se altere em apenas 5% na direção oposta.

Com a operação de opções, por outro lado, o risco é restrito ao valor do prêmio que você paga. Não há como o investidor perder mais do que isso posteriormente. Ele também é livre para não exercer a opção se os termos se tornarem desfavoráveis. Portanto, nessa situação, o pior cenário é que as opções expirem e não valham a pena e o investidor perca o valor inicial que pagou.

Além disso, outro fator de risco é que as flutuações dos preços das opções não são tão agressivas quanto as de futuros. Com o último, se você estiver operando em uma margem, semelhante à mencionada anteriormente, apenas uma única alteração de preço pode acabar com seu portfólio. Com opções, desde que o mercado atinja sua meta, você estará seguro. E mesmo que isso não ocorra, o pior que pode acontecer é você perder o seu prêmio.

Não devemos esquecer também a liquidez. Os mercados futuros são um dos mais líquidos do mundo. A falta de derrapagem deve-se à variedade de empresas com muito dinheiro que participam diariamente das operações de futuros.

Empresas de HFT, fundos de hedge, empresas de gerenciamento de patrimônio e outras geram um volume de operação considerável no mercado futuro todos os dias. As opções, por outro lado, não compartilham deste mesmo interesse. Mesmo as mais líquidas têm dificuldade com o descarregamento de grandes posições de maneira rápida e sem afetar o mercado.

Os contratos de futuros e de opções são semelhantes entre si em termos de não haver restrição à quantia de lucro potencial. No entanto, no caso dos vendedores de opções, o lucro potencial é limitado ao valor do prêmio pago pelo comprador.

2. Obrigações dos Compradores e Vendedores

Essa é outra grande diferença entre futuros e opções. Vamos começar com a obrigação dos compradores primeiro. Com futuros, o comprador é obrigado a honrar o contrato na data pré-acordada e está basicamente “preso a ele”. Com opções, o comprador do contrato tem a liberdade de decidir se o executa ou não.

A obrigação do vendedor com contratos futuros não é diferente – o vendedor é obrigado a executar o contrato. Com as opções, por outro lado, o vendedor é dependente da escolha do comprador – se ele decidir comprar a opção, o vendedor não terá outra opção senão a de vendê-la e vice-versa. Portanto, aqui, o vendedor assume um risco maior quando comparado ao comprador.

3. O Esquema de Pagamento e o Cronograma de Execução

Com contratos futuros, o investidor não precisa fazer nenhum pagamento antecipado, exceto o da comissão em questão.

Os operadores de opções, por outro lado, precisam pagar um prêmio antecipadamente. O prêmio é uma pequena porcentagem do valor total.

Essa é também a razão pela qual os dois tipos de ativos são tão diferentes em termos de risco. Enquanto com contratos futuros, o trader pode ter que efetuar um pagamento elevado posteriormente, com opções, todos os pagamentos são limitados ao valor pago inicialmente.

Além disso, você só pode executar contratos futuros na data pré-determinada. Com opções, as coisas são bem diferentes. Antes de tudo, devemos mencionar que existem dois tipos de contratos de opções – o americano e o europeu.

Os tipos americanos são os contratos de opções mais comuns e amplamente difundidos. Eles permitem a execução em qualquer dia antes da data de validade. Os tipos europeus, por outro lado, são semelhantes aos contratos de futuros e podem ser executados apenas na data de vencimento.

Vale ressaltar, no entanto, que as opções perdem valor a cada dia que se aproximam da data de vencimento. Isso pode ser algo positivo ou negativo, dependendo de qual lado da operação você está. Como a maioria das opções acaba expirando sem ter valor, os vendedores geralmente obtêm chances maiores que os compradores. Os futuros, por outro lado, não sofrem com a deterioração do tempo.

4. Especificificações do Contrato

Também podemos encontrar uma diferença entre futuros e opções em seus termos e especificações de contrato. As diferenças mais notáveis estão na flutuação mínima do preço, que para as opções é sempre menor.

Outra diferença entre contratos de futuros e opções pode ser encontrada no horário de operação, no período de término da operação e nos contratos listados.

Aqui está um exemplo de contrato futuros e opções sobre uma mesma commodity – (milho), emitida pelo Grupo CME:

Futuros de Milho

Código do ProdutoZC
Unidade do Contrato5,000 bushels
Cotação de PreçoCentavos por bushel
Flutuação de Preço MínimaUS$12,50 ou 1/4 de centavo (0,0025) por bushel
TAS: Zero ou +/- 4 ticks no incremento mínimo de tick do total
Horários de OperaçãoDe domingo a sexta-feira, de 19:00 às 7:45 da manhã CT. De segunda a sexta-feira de 8:30 às 13:20 CTTAS: De domingo a sexta-feira entre 19:00 às 19:45. De segunda a sexta-feira entre 8:30 às 13:15 CT
Contratos Listados9 contratos mensais de março, maio e setembro e 8 contratos mensais de julho e dezembro listados anualmente após o término da operação do contrato de dezembro do ano atual
Forma de LiquidaçãoEntregável
Último Dia de OperaçãoO contrato vence no dia útil anterior ao 15º dia do mês do contrato
Fonte de Dados: CME

Opções de Milho

Código do ProdutoOZC
Unidade do Contrato1 contrato por 5.000 bushels
Cotação de PreçoCentavos por bushel
Flutuação de Preço Mínima$6,25 ou 1/8 de um centavo (0,00125) por bushel
Horários de OperaçãoCME Globex: de domingo a sexta-feira, das 19:00 às 7:45 da manhã CT. De segunda a sexta-feira entre as 8:30 às 13:20 CTO. Open Outcry: de segunda a sexta-feira, das 8:30 às 13:15 CT com pós-sessão até 13:20 CT imediatamente após o fechamento
Contratos ListadosContratos mensais listados por 3 meses consecutivos
Dois meses de março listados após o término da operação no mês do contrato de agosto
Dois meses de maio listados após o término da operação no mês do contrato de outubro
2 meses de setembro listados após o término da operação no mês de abril mês do contrato
6 meses de julho e dezembro listados após o término da operação no mês do contrato de dezembro
Forma de LiquidaçãoEntregável
Último Dia de OperaçãoO contrato vence na sexta-feira da semana do contrato.
Fonte de Dados: CME

5. Versatilidade

Em termos de versatilidade e possíveis estratégias de operação que você pode aplicar às duas classes de ativos, a operação de opções é frequentemente considerada como o melhor instrumento. Isso ocorre principalmente porque as especificidades dos contratos permitem que o trader tire proveito de várias estratégias baseadas em spread.

Veja como isso funciona na prática. Os investidores podem escrever e comprar contratos ao mesmo tempo, o que lhes permite ajustar os spreads de acordo com suas preferências e proteger as perdas potenciais. Dessa forma, eles podem se beneficiar de flutuações multidirecionais de preços e não precisam tentar prever o mercado perfeitamente. Pense nisso como uma criação de oportunidades de arbitragem.

Aqui está um exemplo – imagine que John esteja interessado em operar uma ação da AAPL logo antes do seu grande evento anual. Ele não tem certeza de como os novos dispositivos apresentados serão compatíveis com os dos concorrentes e como o público reagirá em relação a eles. É por isso que John decide cobrir o risco com um contrato de opções.

As opções permitem criar um spread que garante que ele lucrará em dois cenários ao mesmo tempo – caso as ações subam, ou caso permanecem estáveis. Se os novos dispositivos trouxerem tecnologias inovadoras, John terá lucro. Se não forem grandes avanços, ele também lucrará, pois o estoque permanecerá bastante estável (e cairá quando as vendas forem ao ar e não corresponderem às projeções, o que ocorre geralmente em um evento no futuro próximo).

Dessa forma, John terá lucro em todos os casos, exceto se o evento for uma grande decepção e a ação cair com um efeito imediato. Por meio de combinações estratégicas de operação baseada em spread, os contratos de opções permitem que os traders criem vários cenários potencialmente lucrativos.

Contratos futuros, por outro lado, podem fazer com que os traders ganhem dinheiro apenas quando estão se movendo na direção certa. Se o instrumento for na direção contrária, os prejuízos potenciais serão ilimitados.

Alguns fatos sobre futuros e opções

Aqui estão alguns fatos rápidos sobre operação de futuros e opções que ajudarão você a ter uma visão geral do setor e da importância desses derivativos para o ambiente geral do mercado:

Futuros vs. Opções – qual escolher?

Em poucas palavras, vale a pena notar que opções e futuros são excelentes instrumentos para operar, se você souber o que está fazendo. Ambos têm seus prós e contras e, dependendo do seu estilo de operação, um ou ambos podem servir para você.

Por exemplo, se você é iniciante, comece com futuros. Embora sejam os instrumentos mais arriscados, eles definitivamente são muito mais fáceis de operar. Além disso, se você tem alguma experiência com operação de ações ou pelo menos sabe como as coisas funcionam no papel, você levará menos tempo para iniciar na operação de futuros, pois é muito semelhante.

A operação de opções, por outro lado, pode ser bastante complicada para um iniciante, e a curva de aprendizado é mais acentuada.

A operação de futuros também é a escolhida pelos day traders e prop shops como preferencial devido à qualidade da classe de ativos, sua liquidez e a volatilidade associada que permite que os traders, bem como as empresas de trading algorítmico, capitalizem o momento das tendências.

Independentemente do que você escolher, faça sua lição de casa primeiro, aprenda o básico por dentro e por fora e tente ir além disso para obter um entendimento mais amplo. Depois que seu conhecimento for o suficiente e você tiver estabelecido as bases para tomar decisões de operação com base em informações, abra uma conta demo para ter uma ideia de como as coisas funcionam na prática. Não se apresse para começar a operar com dinheiro real, a menos que se sinta preparado e disciplinado o suficiente.

blog ad pt e2t

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Índice de Canal de Commodities – Como usar o indicador CCI

Liquidez de Mercado – Como isso afeta suas operações?

Drawdown – Como funciona e como gerenciar