Earn2Trade Blog
S&P 500

O Que Acontece Quando uma Ação é Incluída ao S&P 500

Muitos investidores iniciantes não estão familiarizados com o que acontece quando uma ação é incluída ao S&P 500. No entanto, a história mostra que aproveitar o efeito da inclusão ao S&P 500 pode potencialmente ser uma das oportunidades mais lucrativas que o mercado oferece. Este guia explica o que é o S&P 500. Vamos ver como ele funciona e como as ações se comportam quando se tornam parte do índice. Vamos examinar se o efeito de inclusão ainda funciona hoje.

Trader patrocinado earn2trade

O que é o S&P 500?

O Índice Standard & Poor’s 500, ou S&P 500, para abreviar, é um índice ponderado de capitalização de mercado composto por 500 das principais empresas nos EUA.

Em termos simples, o S&P 500 é “o mercado”.  Ele inclui algumas das principais empresas mundiais de 11 setores, incluindo TI, saúde, consumo discricionário, industrial, energia, imobiliário e muito mais. A ampla diversificação é a razão pela qual o índice é considerado o melhor reflexo do desempenho do mercado de ações dos EUA.

No entanto, vale a pena notar que o S&P 500 não inclui necessariamente as 500 principais empresas dos EUA por capitalização de mercado. Existem vários outros critérios a serem considerados.

Com o passar dos anos, o S&P 500 tornou-se uma referência global para a economia mundial. É também um dos ativos subjacentes mais negociados. Por que está subjacente? Porque os investidores não podem comprar diretamente o S&P 500. Em vez disso, eles podem investir nele através de outros instrumentos, como contratos futuros ou ETFs que replicam o desempenho do índice.

Como funciona o S&P 500?

Muitas pessoas não conseguem entender como o índice funciona apesar de sua importância fundamental. Elas também não sabem o que acontece quando uma ação é incluída ao S&P 500. Voltaremos a isso em um minuto. Primeiro, vamos nos concentrar em como o índice é construído e calculado.

Para ajudá-lo a entender como funciona o S&P 500, devemos começar dizendo que ele usa o método de ponderação de capitalização de mercado para identificar as 500 principais empresas dos EUA. Desenvolvido como um índice ponderado por flutuação, o S&P 500 toma primeiro as capitalizações de mercado de seus constituintes. Em seguida, ajusta-as pelo número de ações disponíveis para negociação pública (ou seja, as ações flutuantes livres). Além disso, ele contabiliza o capital de mercado de cada empresa para compensar novas emissões de ações ou fusões de empresas.

A capitalização de mercado de uma empresa é calculada tomando o preço atual das ações e multiplicando-o pelas ações em circulação. A ponderação de cada empresa no índice é calculada tomando sua capitalização de mercado e dividindo-a pela capitalização total de mercado do índice.

O modelo de construção do índice prioriza empresas com maior capitalização de mercado. Consequentemente, quanto maior o valor de uma empresa, mais influente ela é no desempenho geral do índice.

É importante ressaltar que as 500 empresas incluídas no índice não são permanentes. O índice é reconfigurado periodicamente, e novas empresas substituem aquelas que não se encaixam mais nos critérios.

Critérios de inclusão e remoção do S&P 500

O Comitê de Índices dos EUA, composto por membros profissionais de tempo integral da equipe do Índice S&P Dow Jones, é quem mantém o índice. Todos os meses, o comitê se reúne para rever as ações corporativas em curso relevantes para os constituintes do índice. Também analisa e considera empresas que são candidatas à inclusão.

Quando se trata de critérios de seleção e remoção, é essencial saber que as empresas não são removidas ou incluídas devido ao desempenho futuro do preço das ações. Em vez disso, o comitê tenta manter a rotação baixa. Eles só fazem ajustes quando a situação financeira de uma determinada empresa ou as condições gerais do mercado mudam.

A lista completa dos critérios de inclusão do S&P 500 é bastante extensa e está disponível aqui. Em poucas palavras, para se qualificar para o índice, uma empresa deve ter/ser:

  • Uma empresa de ações comum dos EUA (exceções podem se aplicar se sua listagem primária, sede e incorporação estiverem todas nos EUA e/ou um “endereço de conveniência”);
  • Uma capitalização de mercado mínima de um determinado tamanho (US$ 13,1 bilhões a partir de novembro de 2021);
  • Ser altamente líquida;
  • Ter uma flutuação pública de pelo menos 10% de suas ações em circulação;
  • Ter tido sua IPO (Oferta Pública Inicial) pelo menos um ano antes;
  • Manter os resultados positivos do último trimestre e também na soma de seus quatro trimestres consecutivos.

As remoções do índice ocorrem a critério da comissão. Os eventos que podem levar à remoção de uma empresa incluem:

  • Envolvimento em uma fusão, aquisição ou reestruturação significativa, após a qual a empresa não atende aos critérios de elegibilidade;
  • Uma violação substancial de um ou mais dos critérios de elegibilidade.

Se uma empresa for removida, ela tem que esperar pelo menos um ano antes de ser reconsiderada como candidata substituta.

O preço de uma ação sobe quando ela é incluída ao S&P 500?

A resposta curta é: sim, sobe. Pelo menos, este costumava ser o caso até uma década atrás.

Isso é conhecido como o “efeito de inclusão ao S&P 500”.  Em poucas palavras, estudos têm observado o padrão de que, uma vez que uma empresa é adicionada ao índice, ela gera retornos anormais. O efeito é evidente principalmente na data do anúncio e na data real de inclusão. Em um estudo de 1986, Andrei Shleifer concluiu que as empresas adicionadas ao S&P 500 entre 1976 e 1983 tiveram um aumento de 3% no valor médio. No período de 1995 a 1999, o efeito resultou em retornos médios ainda maiores, de 8,32%.

De acordo com McKinsey, o efeito de ganhar ou perder um lugar em um índice de ações primária tem apenas um impacto de curto prazo no preço das ações que dura cerca de 45 dias.  

A razão para o efeito de inclusão ao S&P 500 não é que uma empresa se tornou mais lucrativa ou financeiramente estável da noite para o dia. A explicação mais comum é que as empresas incluídas ganham mais visibilidade entre os investidores, aumento da cobertura de analistas e um súbito fluxo de liquidez. Esta também é a razão pela qual o efeito enfraquece com o tempo.

No entanto, um estudo recente  descobriu que o efeito de inclusão é raro hoje em dia. De acordo com os resultados, as empresas adicionadas ao S&P 500 entre 2011 e 2021 tiveram um retorno médio excedente de -0,04%. Isso provavelmente foi resultado das mudanças estruturais no setor financeiro, incluindo a ascensão do mercado de ETF e do ecossistema de investimentos passivos.

O National Bureau of Economic Research também descobriu que os aumentos das ações ligados ao anúncio de inclusões em índices diminuíram com o tempo, e o efeito duradouro sobre o preço nos últimos anos tem caído.

Exemplos de Ações Incluídas ou Removidas do S&P 500

Empresas são incluídas ou removidas do índice de forma contínua. No entanto, vale a pena notar que a rotação do S&P 500 é relativamente baixa. Normalmente, as inclusões e remoções anuais nos últimos dois anos têm sido entre 15 e 25 anos, representando uma rotação de 0,03% a 0,05% ao ano.

Em geral, quando uma empresa é removida, outra tem que se juntar para que o número de constituintes do índice permaneça o mesmo. E vice-versa.

Aqui estão alguns exemplos importantes do que aconteceu com ações que foram incluídas ou removidas do S&P 500:

21 de dezembro de 2020: Tesla (TSLA) é incluída ao S&P 500

No período entre o anúncio da inclusão da Tesla ao índice (16 de novembro de 2020) e o fim da semana de negociação antes de ser incluída (18 de dezembro), as ações valorizaram 57%.

Ao ingressar no S&P 500, a Tesla recebeu uma ponderação de 1,69%, tornando-se a quinta empresa mais importante para o desempenho do índice.

No entanto, uma vez que o mercado abriu e os investidores lucraram, as ações caíram 6%. Uma das principais razões para isso também foi o anúncio no mesmo dia de que a Apple estava avançando com seu projeto do Apple Car, mostrando que a Tesla teria um novo grande concorrente. Outro fator contribuinte foi a queda global das ações globais na época devido aos temores de uma nova cepa do coronavírus.

21 de dezembro 2020: A ADV (Apartment Investment Management) é removida do S&P 500

Para que a Tesla fosse adicionada ao S&P 500, outra empresa teve que abrir caminho. E quem fez isso foi a Apartment Investment Management (ADV).

A razão, no entanto, não estava relacionada ao desempenho financeiro. Isso porque, em setembro daquele ano, a Apartment Investment and Management Co (Aimco) anunciou que estaria se dividindo em duas empresas. Em 11 de dezembro, logo após o anúncio de que estava prestes a ser removida do S&P 500, suas ações caíram mais de 5%. A separação aconteceu em 15 de dezembro. Durante esse mês em particular, as ações caíram mais de 80%.

1 de julho de 2014: United States Steel Corp. é removido do S&P 500

O que torna este caso interessante é que a empresa fez parte do S&P 500 desde o seu início. Foi fundada em 1901 pelo J.P. Morgan através de uma fusão da Federal Steel Company, da Carnegie Steel Company, e de outras empresas siderúrgicas com uma capitalização de US$1,4 bilhão. Esse movimento fez da United States Steel Corp. a primeira empresa com uma avaliação bilionária. Em certo momento, foi a maior empresa do mundo.

No entanto, em 2014, foi substituído no índice pela Martin Marietta Materials. As razões para essa decisão foram se acumulando nos anos anteriores. O aço dos EUA estava lutando há muito tempo contra os fracos fundamentos do mercado siderúrgico, o que resultou em perdas nos cinco anos anteriores. Na verdade, em 1991, ela foi excluída do índice Down Jones Industrial Average. Fatores adicionais para o desempenho financeiro instável foram o excesso de oferta no mercado dos EUA, a concorrência de produtores chineses de baixo custo, gargalos logísticos, entre outros.

Em 2013, a empresa ficou abaixo do limite de US$4 bilhões estabelecido na época, e o comitê a removeu do índice. Foi então adicionada ao Índice S&P MidCap 400, onde preencheu a lacuna deixada pela Martin Marietta Materials, a empresa que a substituiu no S&P 500.

O mais interessante é que após a data do anúncio, bem como após sua remoção real, o preço de suas ações subiu. De 1º de julho a 1º de outubro de 2014, suas ações subiram mais de 22% antes de cair 70% nos 12 meses seguintes.

Uma observação final – Acompanhe as empresas que entram e saem do S&P 500

Ao longo dos anos, os analistas notaram um padrão onde as adições do S&P 500 normalmente têm baixo desempenho. Enquanto isso, as remoções superam o índice no ano seguinte. Segundo alguns, quanto maior a adição ao S&P 500, mais significativa será a média após a diferença de desempenho.

E este foi exatamente o caso da Tesla e da Apartment Investment. Pouco mais de seis meses após as empresas trocarem de lugar, estima-se que a AIV obteve uma vantagem relativa de retorno de 78,6% sobre a Tesla.

A explicação básica para isso é que as empresas são frequentemente incluídas ao S&P 500 perto de seus níveis mais altos de avaliação; consequentemente, quando estão em boa saúde financeira. Por outro lado, as empresas removidas não costumam ter um bom desempenho no momento da exclusão. Tais achados foram confirmados em uma escala maior. Após calcular o retorno das 500 empresas iniciais do índice e as novas adições ao longo dos anos, os pesquisadores descobriram que os retornos de buy-and-hold das empresas originais superaram os retornos das novas empresas com menor risco em nove dos dez setores industriais do GICS. A principal razão possível é a supervalorização das empresas recém adicionadas.

Trader patrocinado earn2trade