pt
en
es

Blog

Guias de trading, webinários e histórias

Livre de Impostos

transporte livre de impostos
F T L
3 minutos de leitura

As tarifas têm estado no centro dos discursos políticos recentes com grande frequência. O atual governo mudou a política econômica dos EUA em para uma direção mais protecionista, a fim de proteger os interesses americanos. Muitas áreas importantes do comércio foram vítimas dessa mudança política, no entanto, sem dúvida, as importações de automóveis foram as mais afetadas por ela. A questão tem sido um ponto de discussão tão comum que vale a pena examinar em todo o mundo qual raciocínio econômico em questão poderia justificar ou refutar a promulgação dessas tarifas.

Você também pode gostar de:

O banco de dados de estatísticas globais da Organização Mundial do Comércio (OMC) serve como um bom lugar para começar a procurar respostas para essa pergunta. Os estudos sobre tarifas e outras barreiras comerciais têm seu próprio capítulo entre os muitos relatórios da OMC. Esses estudos fáceis de comparar dividem o comércio internacional em categorias simples, com base na nomenclatura do Sistema Harmonizado. As figuras de interesse para nós são as da seção XVII. Elas contém dados resumidos sobre veículos terrestres, marítimos e aéreos, bem como suas respectivas peças, componentes e acessórios.

O primeiro gráfico, visto abaixo, mostra uma comparação das tarifas média e máxima por país para os setores em questão. Essas estatísticas são significativas porque refletem com quantos parceiros cada país possui acordos comerciais, uma vez que a tarifa máxima é aplicada apenas aos países com os quais eles não têm acordo para conceder condições mais favoráveis.

Livre de impostos

A primeira coisa a observar aqui é que nenhuma coluna é visível para o Japão. Isso não é resultado de algum erro, mas sim pelo fato de o Japão, sendo um dos líderes da indústria automobilística mundial, ter uma tarifa de 0% nos carros importados, portanto, tanto a média quanto a máxima são zero por cento. Essa política tarifária também reflete bem a abertura econômica do país, uma vez que tarifas mais baixas tornam seu mercado interno mais acessível. As duas colunas finais representam a média de todos os 147 países examinados pela OMC.

Leitura interessanteEntrevista com nosso fundador  Ryan Masten em funded-trader.com

As tarifas máximas dos EUA em 2017 foram bastante próximas da média global, no entanto, as tarifas reais, como visto na outra coluna, mostram que elas são as mais baixas depois do Japão. Isso significa que os EUA raramente exercem toda a extensão legal de suas tarifas, preferindo fazer acordos individuais ou fazer parte de grandes acordos que fornecem isenções a seus parceiros comerciais. O Canadá e a União Européia têm tarifas médias igualmente baixas, mas não a China. O último rival está muito mais próximo da média global e sua política tarifária é distintamente protecionista. Embora não seja surpresa que os países em desenvolvimento da América do Sul, por exemplo, ofereçam muitos incentivos à importação, a China tem a segunda tarifa máxima mais altas depois do México, embora eles também as apliquem em uma extensão muito menor.

equipamentos de transporte sem impostos

Para ter uma compreensão ainda maior da real situação, podemos analisar a porcentagem de equipamentos de transporte importados para cada país individualmente com isenção de impostos, em comparação com o total de importações. Em uma inspeção mais detalhada, podemos encontrar ainda mais evidências da política tarifária que era anteriormente tão favorável aos EUA. Além da isenção de tarifas do Japão, os EUA tinham a maior porcentagem de importações isentas de impostos, o que significa que as tarifas eram pagas apenas por menos da metade de todo o equipamento de transporte importado para os estados. Embora esse resultado seja um excelente exemplo de abertura comercial, na realidade, essa política comercial pode ter contribuído para a balança comercial dos EUA, sem exceção, perpetuamente negativa desde os anos 80. De fato, a única vez em que ela teve um déficit de menos de 30 bilhões de dólares nos últimos 10 anos foi durante a crise de 2008. Isso levanta a questão sobre se a política econômica do governo atual pode realmente ser chamada de movimento em direção ao protecionismo ou se é uma simples regressão em relação à média de um estado de acessibilidade e tarifas baixas que já estava muito à frente do resto do mundo.

O restante dos países desenvolvidos do mundo ainda aplica rotineiramente suas tarifas, mesmo que eles tentem manter o máximo um pouco baixo. A China, por exemplo, concede muito poucas isenções de tarifas aos importadores, de modo que apenas 0,8% dos produtos entram no país com isenção de impostos. No caso dos EUA, esse número é de 55% e para a UE é de 16,5%. A América Latina, por outro lado, não gosta de escolher favoritos, eles tendem a aplicar tarifas de importação a todos.

Em última análise, os números da OMC revelam que os EUA são uma economia muito aberta, possivelmente muito mais do que ela poderia ser. Obviamente, como “carro-chefe do capitalismo”, os EUA tem que apoiar o comércio livre e aberto, no entanto, também há interesse em corrigir quão enviesados os gráficos acima estão, e isso pode acabar prejudicando as carteiras de outros países.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

O que é hedge em finanças? Aprenda a proteger seus investimentos

Prop Trading – O que é e como funciona uma mesa proprietária?

Indicadores Técnicos – Um guia para iniciantes