Earn2Trade Blog
Taxa Livre de Risco

Taxa Livre de Risco – O que é e como calcular?

Você provavelmente já ouviu a frase “não existe almoço grátis“, que significa que não é possível se beneficiar de algo sem pagar o preço. Por outro lado, temos o termo taxa livre de risco. Pela lógica, um desses tem que estar errado, não é mesmo? Este guia mostrará se os investidores possuem uma oportunidade real de garantir retornos estáveis com investimentos sem risco. Vamos nos aprofundar no conceito de retorno livre de risco para examinar o que isso significa para os investidores. Vamos ver como calcular e mostrar os exemplos mais famosos de investimentos livres de risco.

blog ad pt e2t

O que é uma taxa livre de risco?

A taxa livre de risco é um conceito teórico que os traders usam para definir um investimento que garante um retorno sem correr nenhum risco. É um investimento que sempre será lucrativo e nunca sofrerá perdas.

Essa taxa representa o juro sobre o dinheiro investido que você pode esperar ao longo de um certo período a partir de investimentos sem qualquer risco. Pelo menos em teoria.

Na verdade, esse conceito é puramente teórico. O termo livre de risco não garante exatamente que o ativo dará o retorno que deve. No entanto, a chance de as coisas darem errado com investimentos desse tipo é tão baixa que consideramos que o risco é nulo.

Uma taxa livre de risco é usada para a maioria dos investimentos estáveis encontrados nos mercados financeiros, como os títulos do Tesouro dos EUA. Por que os títulos do Tesouro? Porque a chance de o governo dos EUA dar calote nos seus títulos é praticamente inexistente. Em teoria, o investimento é extremamente seguro. Por conta disso, o mercado costuma usar a taxa de juros de uma T-bill de três meses como uma referência para a taxa de curto prazo.

A taxa livre de risco é um dos conceitos mais básicos e, ao mesmo tempo, mais essenciais em finanças. É um dos pilares de diversas teorias de investimentos e linhas de pensamento, incluindo o Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (MPAF), a Teoria Moderna de Portfólios (MPT, na sigla em inglês) e o modelo de Black-Scholes para precificação de opções. Além disso, esse conceito também é usado para calcular o custo do ativo e o Custo Médio Ponderado de Capital (WACC, na sigla em inglês) de uma empresa.

Por ser tão abrangente e fundamental, qualquer investidor iniciante deve ter uma sólida compreensão do conceito de taxa livre de risco se quiser ter sucesso nos mercados financeiros.

O que isso significa para os investidores?

Em teoria, a taxa livre de risco significa que os investidores podem ter um retorno garantir sem arriscar seu capital de investimento. Isso é crucial para os investidores, já que eles a usam como uma referência para avaliar o potencial de investimento de outros ativos.

Por exemplo, se você puder escolher entre um investimento com uma taxa sem risco satisfatória e um produto que oferece um potencial de retorno melhor, porém com um risco maior, então o mais razoável é sempre optar pela oportunidade que fornece um equilíbrio melhor. Vamos supor que você pode investir em um produto com um retorno líquido – após descontar as taxas de administração e custos adicionais – próximo do retorno livre de risco. Nesse caso, não é exatamente uma oportunidade que trará benefícios à sua carteira.

Em resumo, você deve evitar correr riscos a menos que a taxa de retorno esperada seja maior – de preferência, significativamente maior – que a taxa livre de risco.

Quem usa a taxa livre de risco?

As empresas de investimento usam a taxa livre de risco para desenvolver produtos que ofereçam retornos ajustados ao risco maiores para atrair os investidores. Eles também podem adicionar um prêmio de risco à taxa. O tamanho desse prêmio pode variar de acordo com o tipo de ativo. Por exemplo, o risco dos títulos de uma empresa blue chip seria muito menor do que o risco de uma startup.

Ao comparar as oportunidades de investimento, a taxa livre de risco se mostra útil para avaliarmos o quão verdadeiramente livre de risco elas são. Com base nas expectativas dos investidores quanto à taxa de retorno ideal para o excesso de risco acima da taxa de referência, as empresas de investimento podem moldar melhor seus produtos e atender às necessidades dos clientes.

Outra aplicação teórica da taxa livre de risco é para empréstimos. As teorias econômicas e financeiras admitem que os participantes do mercado deveriam ser capazes de tomar emprestado seus ativos a taxas livres de risco. No entanto, a verdade é que isso raramente acontece, principalmente quando se trata de traders comuns.

O cálculo das taxas livres de risco

Você provavelmente está curioso para saber a taxa que você pode garantir, né? Infelizmente, não há uma resposta unificada. As taxas de livres de risco podem variar de acordo com o instrumento que é usado para o cálculo e o seu rendimento.

Em geral, calculamos o valor de uma taxa livre de risco subtraindo a taxa de inflação atual do rendimento de um título do Tesouro com duração próxima da duração do seu investimento. Por exemplo, se estiver interessado em investimentos de longo prazo, você deve considerar a Treasury bill de 10 anos. Se estiver interessado no curto prazo, então você pode se basear na T-bill de três meses.

Esta é a fórmula:

Taxa Livre de Risco = [(1 + Taxa do Título do Governo)/(1 + Taxa de Inflação)] – 1

Vamos ver um exemplo. Imagine que você deseja investir em um título do Tesouro de 10 anos que rende 3% durante o período. Nesse caso, a taxa livre de risco seria de 3%, ajustado pela inflação.

O Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (MPAF)

Se quisermos realmente entender o conceito de taxa sem risco, é essencial dizer algumas palavras sobre o Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (MPAF).

O MPAF é um modelo financeiro fundamental usado para calcular o retorno esperado sobre um ativo investível. Ele faz isso igualando o retorno sobre um ativo à soma da taxa livre de risco com um prêmio de risco (o beta do ativo). Ele também ajuda os investidores a determinar o retorno sobre a taxa de mercado livre de risco que eles podem esperar de um determinado ativo. A fórmula do MPAF é a seguinte:

Ra = Rf + [𝞫 x (Rm – Rf)]

Onde:

  • Ra – retorno sobre um ativo
  • 𝞫 – beta de um ativo
  • Rf – taxa livre de risco

A parte mais importante da equação é definir o prêmio de risco (Rm – Rf). Como um investidor, isso lhe dá uma indicação sobre o retorno em excesso que você receberia ao adotar um risco maior que a taxa de mercado livre de risco.

Você provavelmente está se perguntando: se a taxa funciona somente na teoria e não há oportunidades com risco zero, como conceitos como MPAF e MPT podem ser considerados confiáveis? Embora seja fácil criticar as teorias que usam um ativo livre de risco em sua base, a verdade é que as alternativas são limitadas. Além disso, esses conceitos têm funcionado na prática há décadas. Basicamente, podemos confiar na taxa livre de risco para fazermos uma análise de investimento precisa com uma confiança razoável.

Exemplos

Se o conceito de taxa livre de risco parece um pouco obscuro para você, vamos trazer alguns exemplos.

Os títulos do Tesouro dos EUA são geralmente a melhor referência para um investimento livre de risco para investidores dos EUA. Isso acontece porque é difícil imaginar um cenário em que o governo dê calote nos seus títulos. Embora seja possível em teoria, a chance é desprezível, e a menor possibilidade de risco não se materializaria. Além disso, o mercado dos instrumentos do Tesouro dos EUA é intenso e líquido, o que significa que é um ambiente de investimento seguro e sólido. Como resultado, o mercado costuma usar a taxa de juros de um T-bill de três meses como base para a taxa livre de risco para os investidores dos EUA.

Por “investidores dos EUA”, incluímos todos os investidores com posições em ativos operados em dólar. Para os participantes do mercado que investem em ativos operados em euro, o ideal é usar o T-bill alemão como referência. Via de regra, sempre considere os instrumentos do Tesouro do país em que você está operando ao fazer a sua análise.

Em alguns casos, também podemos usar instrumentos como títulos de empresas blue chip como referência para a taxa.

É realmente livre de risco?

É impossível termos uma taxa completamente livre de risco, principalmente nos mercados voláteis e cada vez mais dinâmicos de hoje. Até mesmo os investimentos mais seguros possuem algum nível de risco, mesmo que seja insignificante.

Então por que dizemos que é livre de risco? A verdade é que o risco associado aos ativos usados como referência é tão baixo que o consideramos inexistente. Sim, o governo dos EUA poderia dar calote nos seus títulos, pelo menos em teoria. No entanto, o risco é tão baixo que os investidores nem consideram essa possibilidade. Podemos considerar que, caso os EUA corram risco de quebrar por falta de fluxo de caixa, o governo pode simplesmente imprimir mais dinheiro para cobrir o pagamento dos juros e as obrigações com a devolução do valor principal dos títulos. Até o momento, os EUA nunca deixaram de pagar os valores devidos dos seus títulos.

Por conta disso, os investidores usam a taxa de juros do Treasury bill (T-bill) de três meses como referência para a taxa livre de risco de curto prazo, já que o risco de inadimplência é praticamente zero.

Por fim, vamos mostrar alguns números. Você provavelmente está se perguntando qual é o intervalo de variação da taxa ao longo dos anos.

É realmente livre de risco

Durante os períodos de crise econômica ou os períodos imediatamente depois, como nas décadas de 1940 e 2010, os T-bills chegaram a 0,01%. O histórico do mercado mostra que eles podem chegar a 16%, como ocorreu durante os anos 1980. T-bills com taxas altas são um bom sinal para a saúde da economia.