pt
en
es

Blog

Guias de trading, webinários e histórias

Trading Ambientalmente Amigável

Trading ambientalmente amigável
F T L
3 minutos de leitura

Faz várias décadas desde que recebemos os primeiros relatórios sobre o estado crítico e preocupante da poluição do ar. À medida que o equipamento de medição continua se tornando mais sofisticado e quantidades cada vez maiores de dados brutos são acumuladas, torna-se cada vez mais óbvio que as emissões estão aumentando. Embora muitos ainda discutam extensão da culpa dos seres humanos nas mudanças climáticas, seguindo o Protocolo de Kyoto e o Acordo de Paris, há um nível de consenso por todo o mundo. Isso também levanta algumas questões sobre a sustentabilidade do crescimento industrial e econômico global.

Reduzir radicalmente as emissões de carbono requer um sacrifício tremendo, o que certamente afetaria a economia atual e seu futuro em potencial. Isso simplesmente não é um risco que a maioria dos chefes de Estado estava disposto a correr, levando a que algumas brechas fossem adicionadas aos acordos mencionados anteriormente. A principal delas é a distribuição e o comércio gratuitos de cotas de emissão.

Esses chamados créditos de carbono são distribuídos a vários países por organizações internacionais com base em estimativas das emissões prováveis para cada país em questão. Depois que as cotas são definidas, elas podem ser distribuídas ainda mais internamente por cada país. A ideia básica é que as empresas preocupadas com o meio ambiente reduziriam suas emissões, criando assim um excedente que elas podem revender para outras empresas. Isso forçaria as empresas que provocam uma grande poluição a ter custos operacionais mais altos, forçando-as a uma desvantagem competitiva.

Embora pareça plausível em teoria, na prática essas estimativas de cotas acabaram sendo excessivamente generosas, permitindo que a maioria das empresas cumpra suas metas de emissão com relativa facilidade.

Olhando para isso da perspectiva do trader, podemos ver que há um número crescente de empresas que desejam vender seus créditos, enquanto a demanda por elas caiu. O resultado dessas circunstâncias é que os preços do crédito de carbono também caíram acentuadamente. Não é surpresa que, quando os créditos de carbono são baratos, as empresas estão dispostas a gastar um pouco mais para manter ou até aumentar suas emissões. A mão invisível do mercado mostra mais uma vez que é uma força que precisa ser reconhecida. Em algum nível, essa falha política pode ser rastreada até a inviabilidade fundamental das economias planejadas. Tentar controlar os resultados econômicos de cima para baixo através de cálculos cuidadosos é a mesma armadilha em que a URSS e a maioria dos outros países comunistas caíram.

Inicialmente, essas cotas foram negociadas no Over The Counter (OTC) fora dos mercados regulados, no entanto, no espaço de alguns anos, elas já estavam disponíveis em várias “quase-exchanges”, até que finalmente a Intercontinental Exchange (ICE) liberou seu próprio e oficial futuros de crédito carbono. Fixar um preço rastreável era a parte final e mais importante do plano original. Quando os países começaram a divulgar publicamente os números de quanto economizavam, tornou-se óbvio que havia um excedente esmagador de vendedores. O fato de todo mundo estar tentando se vender os créditos impossibilitou a venda e o mercado praticamente não tinha liquidez. Isso fez com que os especuladores fugissem em massa. Depois que saíram, a liquidez secou completamente, resultando em uma queda ainda maior dos preços das cotas, colapsando-a completamente como um ativo negociável.

Dito isto, o mercado de emissões está prestes a passar por algumas mudanças importantes em 2020 que podem alterar completamente a forma de como ele é negociado. A adição de um fator de redução linear significaria que os limites de provisão diminuiriam continuamente a uma taxa fixa. Em vez de manter estaticamente seu valor, eles seriam depreciados anualmente. Isso poderia afetar o mercado de maneira semelhante à forma como os bancos centrais geralmente regulam a oferta de moeda. Quando sentem que a inflação está acelerando, tendem a restringir suas políticas de taxa de juros, o que reduz a quantidade de dinheiro em circulação e reduz a inflação. Esse tipo de solução pode trazer os especuladores de volta ao mercado de emissões, mas também pode ser necessário criar uma nova instituição para apoiá-lo. Nesse caso específico, é a Reserva de Estabilidade de Mercado (MSR), cujo objetivo é agir como uma espécie de formador de mercado, drenando o excedente do mercado de cotas. A compra de emissões em excesso também ajuda a injetar liquidez no mercado.

As notícias da criação da MSR poderiam revolucionar fundamentalmente esse mercado e sua estrutura base já está em andamento. O preço da Permissão de Emissão da União Europeia (EUA) variou aproximadamente de 3 a 7 euros no primeiro mês de sua criação, no entanto, após a decisão do Parlamento Europeu de criar o MSR, esses preços saltaram acima de 25 euros em 2019. Isso ocorreu principalmente devido às empresas que são grandes produtoras de emissões de carbono se apressarem em comprar esses futuros em grande número antes que essas mudanças entrem em vigor em 2020, incluindo aquelas com vencimentos até 2025. O interesse reavivado no ativo também coloca ainda mais pressão em outras empresas para ingressar no sistema. Poderia ser este talvez o primeiro segmento de mercado em que a intromissão governamental de cima para baixo produz um resultado eficiente? O tempo dirá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Especuladores – O que são e qual é a sua função no trading?

O que é hedge em finanças? Aprenda a proteger seus investimentos

Prop Trading – O que é e como funciona uma mesa proprietária?